Como Realizar Operações no Mercado Futuro?

As operações no Mercado Futuro são feitas através de margem, o que envolve alavancagem. Isso significa que por apenas um percentual do capital necessário para comprar ou vender o total do contrato é possível negociá-lo. Por exemplo, com uma margem de R$ 3.500,00 é possível controlar um mini contrato de dólar com valor de US$ 10.000,00.

Dependendo do contrato o investidor pode estar alavancado em mais de 10 vezes o valor de seu capital, o que faz com que os futuros ofereçam excelentes possibilidades de retorno para os especuladores, caso suas operações derem certo, ao mesmo tempo em que possibilitam aos produtores e comerciantes protegerem seus negócios através do hedge.

Hedge significa abrir uma posição futura que é oposta à posição atual do investidor num determinado ativo. Isso remove o risco futuro de mudança no preço do ativo de quem pretende vendê-lo ou comprá-lo numa data futura. O hedge transfere esse risco dos produtores e comerciantes para os especuladores permitindo que os hedgers se dediquem aos seus próprios negócios. Assim, o hedge deve ser visto como proteção e administração de risco.

O hedge de venda, conhecido também como short hedge, envolve posição vendida em contratos futuros. É apropriado quando o hedger possui ou irá possuir o ativo e espera vendê-lo em algum momento futuro. No hedge de venda o investidor irá vender o ativo ao preço atual para a entrega futura. Seu objetivo é se proteger contra uma futura desvalorização no preço do ativo. Portanto, ao realizar a venda de contratos futuros o investidor estará garantido o atual preço de mercado para a venda futura do ativo.

O hedge de compra, que envolve uma posição comprada em contratos futuros, é conhecido como long hedge. É apropriado quando o hedger sabe que terá de comprar determinado ativo no futuro e quer travar o atual preço de mercado. No hedge de compra o investidor irá comprar o ativo ao preço atual para a entrega futura. Seu objetivo é se proteger contra uma futura valorização no preço do ativo. Portanto, ao realizar a compra de contratos futuros o investidor estará garantido o atual preço de mercado para a compra futura do ativo.

“O futuro está em aberto; não é predeterminado, e deste modo, não pode ser previsto, a não ser por acidente”.

Karl Popper

Por exemplo, supondo que um empresário possui uma empresa de importações e deverá pagar daqui a 2 meses US$ 500.000,00 por um produto. A cotação atual do dólar frente ao real é de R$ 1,98 e o contrato futuro de dólar, representativo do dólar comercial cotado hoje, acrescido da taxa de juros até o dia do seu vencimento daqui a 2 meses, está cotado a R$ 2,01 (R$ 2.010,00 / US$ 1.000,00). Neste caso ele corre o risco da cotação do dólar subir frente ao real, o que na hora de trocar por dólares significaria prejuízo já que ele teria que pagar mais reais do que o previsto.

Para proteger-se contra uma valorização futura da moeda esse empresário irá abrir uma posição comprada em 10 contratos de dólar futuro com vencimento daqui a 2 meses por R$ 1.005.000,00. Para isso terá que desembolsar a margem inicial de 15% do valor total dos contratos (R$ 150.750,00).

Caso daqui a 2 meses a cotação do dólar esteja em R$ 2,08, o empresário terá que pagar em reais pelo valor total dos 10 contratos de dólar R$ 1.040.000,00 (US$ 500.000,00 x R$ 2,08). Porém, ele terá recebido em ajustes diários R$ 35.000,00, o que corresponde à diferença entre a cotação atual e cotação acertada na data de abertura do contrato acrescida de juros. Dessa forma, terá se protegido contra a valorização da moeda.

Mas caso daqui a 2 meses a moeda esteja cotada a R$ 1,88, o empresário terá que pagar em reais pelo valor total dos 10 contratos de dólar R$ 940.000,00 (US$ 500.000,00 x R$ 1,88). Porém, ele terá pagado em ajustes diários R$ 65.000,00, o que corresponde à diferença entre a cotação atual e cotação acertada na data de abertura do contrato acrescida de juros. Neste caso o resultado teria sido melhor sem o hedge. Contudo é necessário que se leve em conta o risco de tal decisão, pois ficar descoberto na primeira situação teria lhe trazido prejuízo.

É evidente que ao fazer o hedge para se precaver de uma variação de preços que lhe seja prejudicial o hedger também estará renunciando ao ganho que poderia auferir na eventualidade da mudança no preço ser favorável ao mesmo. É justamente essa possibilidade que atrai a participação dos especuladores.

“Um crescimento infinito é incompatível com um mundo finito. Quem acredita nisso ou é louco ou é economista.”

Capital e Valor

Na outra ponta tomemos como exemplo um exportador que tem US$ 500.000 a serem recebidos em dois meses. Neste caso ele corre o risco da cotação do dólar cair frente ao real, o que na hora de trocar por reais significaria prejuízo já que ele receberia menos reais do que o previsto.

Para se proteger desse risco esse exportador deverá vender 10 contratos futuros de dólar. A cotação atual do dólar frente ao real é de R$ 1,98 e o contrato futuro de dólar, representativo do dólar comercial cotado hoje, acrescido da taxa de juros até o dia do seu vencimento daqui a 2 meses, está cotado a R$ 2,01 (R$ 2.010,00 / US$ 1.000,00).

Para proteger-se contra uma desvalorização futura da moeda, esse empresário irá abrir uma posição vendida em 10 contratos de dólar futuro com vencimento daqui a 2 meses por R$ 1.005.000,00. Para isso terá que desembolsar a margem inicial de 15% do valor total dos contratos (R$ 150.750,00).

Caso daqui a 2 meses a cotação do dólar esteja em R$ 2,08, o empresário irá receber em reais pelo valor total dos 10 contratos de dólar R$ 1.040.000,00 (US$ 500.000,00 x R$ 2,08). Porém, ele terá pagado em ajustes diários R$ 35.000,00, que corresponde à diferença entre a cotação atual e cotação acertada na data de abertura do contrato acrescida de juros. Neste caso o resultado teria sido melhor sem o hedge.
Mas caso daqui a 2 meses a moeda esteja cotada a R$ 1,88, o empresário receberá em reais pelo valor total dos 10 contratos de dólar R$ 940.000,00 (US$ 500.000,00 x R$ 1,88). Porém, ele terá recebido em ajustes diários R$ 65.000,00, o que corresponde à diferença entre a cotação atual e cotação acertada na data de abertura do contrato acrescida de juros. Dessa forma, terá se protegido contra a desvalorização da moeda.

“Futuros são instrumentos de negócio e não, eu repito, não são investimentos de longo prazo”.

John Hull

Os contratos futuros possuem quantidade de ativos e prazos de vencimento padronizados. Nenhum contrato pode ser alterado para um novo período. Para fazer a rolagem do contrato deve-se primeiro liquidá-lo, para então abrir outra posição num contrato com vencimento posterior, caso não se queira encerrar a posição.

Assim como as opções, a maioria dos contratos futuros não é carregada até o vencimento. A maior parte dos investidores prefere liquidar suas posições no mercado ao invés de efetuar a compra/venda do ativo ou a sua liquidação financeira.

Contratos futuros são altamente alavancados. A margem de um contrato pode ser inferior a 10%. Isso faz com que pequenas variações de preços produzam efeitos muito maiores em relação a uma compra à vista no mercado de ações por exemplo, dado a alavancagem propiciada pela baixa margem requisitada.

Entretanto, tais variações acarretam maiores prejuízos em operações perdedoras. No exemplo com um capital de R$ 150.000,00 o investidor controlava uma posição comprada de R$ 1.000.000,00 em contratos de dólar futuro. Uma valorização de 5% na cotação do dólar lhe renderia 50.000,00, ou seja, 33% sobre o capital investido.

A alavancagem também pode ser financeira, quando o investidor utiliza ativos ou recursos de terceiros visando aumentar seu retorno final ao custo de juros e maiores taxas de corretagem. De maneira geral, alavancar um investimento significa maximizar seu potencial de retorno expondo-se a maiores riscos em razão disso.

"O dinheiro que temos é o instrumento da liberdade; aquele de que andamos atrás é o da servidão".

Jean Jacques Rousseau

Um dos erros mais cometidos por investidores em renda variável, em especial nos mercados alavancados, é operar mais do que podem. Pensam apenas em aumentar o lucro que imaginam que irão auferir, esquecendo de avaliar o aumento do prejuízo potencial causado por uma posição alavancada além de suas capacidades financeiras.

Por exemplo, um investidor que possui um capital de R$ 38.000,00 possui margem suficiente para operar 10 contratos de mini índice Bovespa, cuja margem é de R$ 3.500,00 por contrato. Entretanto, uma oscilação de 5% contra sua posição irá requerer R$ 6.000,00 em ajuste diário, o que lhe colocará diante de uma chamada de margem de R$ 3.000,00. Para regularizar sua posição ele terá duas alternativas, depositar mais dinheiro para cobrir o que deve ou reduzir sua chamada pela liquidação de parte ou de toda sua posição, realizando o prejuízo da operação.

Se o saldo da conta ficar abaixo da margem inicial, no dia seguinte o investidor será chamado a recompor o compromisso através do depósito de margem adicional. Chamadas de margem acontecem porque o preço do ativo está se movendo contra sua posição, ou seja, você se encontra com insuficiência de fundos na sua conta. A falta de recursos para arcar com ajustes diários contrários à posição assumida pode importar em cobrança de elevados juros ou resultar no encerramento forçado de uma posição. No exemplo, o investidor apesar de possuir o capital para abrir uma posição em 10 contratos, não possui o capital para gerenciar o risco dessa posição, logo, somente deveria operar de 5 a 8 contratos.

Nunca se coloque diante de uma chamada de margem. Saiba sempre o quanto tem e o quanto pode arriscar numa operação, conheça sempre os seus riscos. Não adianta querer operar o que não é possível com o seu capital. Ao regular o tamanho das suas posições, além de trazer as chances a seu favor, você estará diminuindo constantemente o risco da sua operação. Portanto, opere sempre dentro das suas possibilidades financeiras.

A margem e a alavancagem dos contratos futuros dão a esse mercado uma grande vantagem em relação a outros investimentos, mas é uma faca de dois gumes. Um movimento de preços contrário à sua posição pode acarretar prejuízos enormes num curto período de tempo. Pequenos investidores quando expostos a uma grande alavancagem são facilmente liquidados do mercado, podendo até mesmo ficar devendo, caso o prejuízo da operação seja maior que o valor da margem inicial.

Em função disso, o mercado futuro não dá uma margem de erro tão grande quanto o mercado de ações. Uma posição perdedora comprada em ações pode ser mantida indefinidamente. Em mercados futuros pequenos investidores não têm a “luxúria” da estratégia buy and hold que possuem quando compram ações. Os contratos além de serem alavancados e negociados em margem têm prazo de vencimento e, portanto, o timing neste mercado é essencial.

Investidores que estão mais acostumados a investir em ações têm um pouco de dificuldade para compreender a dinâmica do mercado futuro. Por estarem habituados a operar somente comprados, possuem certa resistência em abrir posições vendidas. Diferente do que acontece com ações, nos contratos futuros para cada posição comprada existe uma posição vendida. Saber operar na compra assim como na venda é fundamental para quem quer ganhar dinheiro neste mercado.

"Há duas ocasiões na vida em que uma pessoa não deve jogar: quando não tiver posses para isso – e quando tiver."

Mark Twain

Adquirida já por R$ 29,90 todo o CONTEÚDO dos módulos de Introdução, Análise Técnica, Estratégias de Investimentos e Análise Fundamentalista no Ebook Capital e Valor nos formatos KindlePDF e EpubClique aqui para maiores informações!

Além dos artigos de educação financeira, o portal Capital e Valor disponibiliza Análises Financeiras, Cotações e Múltiplos calculados em Tempo Real, Evolução dos Resultados e Indicadores em Gráficos Interativos, Rankings de Desempenho Setorial e Geral das S/A, um Banco de Dados em planilha com os Resultados Trimestrais Históricos (ITR e DRE), Múltiplos e Cotações de mais de 376 empresas listadas na Bovespa, bem como um Módulo Financeiro para controle de finanças pessoais, planejamento e evolução econômica. Acesse aqui e aproveite dos nossos serviços.